PROPOSTA DAS CHAPAS ELEITORAIS
CHAPA 1
ACORDA CFM!
PROPOSTA
CHAPA 01 – ACORDA CFM!
 
Candidatos Chapa 01 - Eleição CFM 2019
 
 

CHAPA 1 – ACORDA CFM!

Efetivo:
Krikor Boyaciyan
Ginecologia e Obstetrícia
Capital

Suplente:
Nabil Ghorayeb
Cardiologia e Medicina Esportiva
Capital 

Entre no site www.acordacfm.com.br e veja o nosso programa completo, lista de apoiadores, como votar, vídeos dos candidatos e apoiadores. Seu apoio fortalecerá ainda mais as nossas propostas, e será de vital importância. Acredite nelas!

Confira-as a seguir, resumidamente:


12 Propostas da Chapa 1 – Acorda CFM!

  1. Acabar com o voto obrigatório nos Conselhos Regionais de Medicina, tornando-o facultativo. Consequentemente, acabar com as multas eleitorais;
  2. Modificar o regime tributário que incide sobre as anuidades dos Conselhos para pessoa física (PF) e pessoa jurídica (PJ), tornando-as coerentes com a realidade da profissão médica;
  3. Reavaliar e melhorar as condições precárias do atual Programa de Residência Médica;
  4. Criar frentes de trabalho efetivamente atuantes nos diferentes órgãos da administração pública;
  5. Congelar a criação de novas escolas médicas;
  6. Rever a qualidade e continuidade das escolas médicas já existentes;
  7. Aprimorar a avaliação dos recém-formados;
  8. Agilizar a criação da Carreira de Estado em âmbito nacional;
  9. Atualizar toda a normatização sobre publicidade na área médica (Comissão de Divulgação de Assuntos Médicos - Codame), adequando-a para o momento atual;
  10. Exigir providências efetivas para garantir condições de trabalho adequadas aos profissionais da saúde;
  11. Criar um serviço com o objetivo de prestar apoio psicológico e orientação jurídica para profissionais vítimas de agressão no trabalho, buscando reduzir seu impacto junto aos mesmos;
  12. Instituir um programa robusto de Ensino à Distância (EAD) gratuito, para auxiliar os médicos em assuntos críticos no atual momento da profissão.

    Destacamos que nunca tivemos e não temos qualquer filiação político-partidária. Acredite na nossa capacidade, experiência e empenho para representar o Estado de São Paulo no CFM.

 

Acesse: www.acordacfm.com.br

CHAPA 2
URGENTE ÉTICA E JUSTIÇA
PROPOSTA
CHAPA 2 – URGENTE ÉTICA E JUSTIÇA
 
Candidatos Chapa 02 - Eleição CFM 2019
 
 

CHAPA 2 - URGENTE - ÉTICA E JUSTIÇA

Efetivo:
Carlos Rodolfo Carnevalli

Medicina Preventiva e Medicina do Trabalho
São José dos Campos


Suplente:
Silvana Chedid Grieco

Ginecologia e Obstetrícia
Capital

Não ocupamos cargos no CRM, APM, sindicato, governos, convênios, cooperativas e não somos filiados a partidos políticos. 

Os pleitos anteriores evidenciaram que conduzir as próprias eleições com conselheiros da gestão vigente como candidatos e em sedes próprias não é ilegal, mas de ética absolutamente questionável, favorece o ativismo profissional e desperta o continuísmo, como acontece no CFM e em quase todos os Conselhos Regionais.

É necessário implementar a participação efetiva de todos os médicos nos debates e decisões de temas importantes, assim como participar da urgente e necessária reestruturação do CFM.

A Chapa 2 — Urgente Ética & Justiça — apresenta propostas para redefinição regimental, com a convicção de atender ao anseio da grande maioria dos médicos do Estado de São Paulo e do Brasil.

Vamos redesenhar o CFM!

 

Propostas da Chapa 2 - Urgente – Ética & Justiça

  • Revisão das diárias, verbas indenizatórias e auxílios representação: abrir debate com todos os médicos sobre o justo valor das mesmas;
  • Eleição/Gestão: diminuir a gestão de cinco para três anos, com uma só reeleição e que as datas das eleições do CFM e dos Conselhos sejam absolutamente coincidentes; eleições realizadas fora das estruturas próprias; voto facultativo; diretorias eleitas pelos médicos;
  • Acúmulo de cargos: não admitir candidatos médicos que já ocupam cargos em Conselhos Regionais, entidades médicas, governos, convênios, cooperativas, partidos políticos etc;
  • Mulher Médica: 50% dos cargos de conselheiros devem ser reservados às médicas;
  • Número de conselheiros no CFM: a representação deve obedecer à quantificação justa, proporcional ao número de médicos registrados nos Conselhos Regionais;
  • Inclusão: abrir espaço permanente a todos os médicos brasileiros para participarem da análise e decisão de todos os temas pertinentes e relevantes;
  • Extinguir integralmente a dupla cobrança Pessoa Física (PF) e Pessoa Jurídica (PJ), ou uma ou outra;
  • Responsabilidade Social: participar de projetos sociais sobre Saúde, Medicina e Ensino;
  • Residentes, apoio incondicional às justas reivindicações: anuidade menor para início de carreira; reajustes anuais; 13ª salário; auxílios alimentação e moradia; insalubridade; licença maternidade e para tratamentos de saúde;
  • Dar um basta à abertura indiscriminada de escolas médicas;
  • Revalida: única forma de acesso de diplomas médicos obtidos no exterior;
  • Interiorização do médico: garantir a fixação dos profissionais em todo o país;
    SUS: Combater a precarização da Saúde;
  • CBHPM: parâmetro mínimo de referência para o pagamento dos procedimentos médicos;
  • Saúde Suplementar: remuneração justa aos médicos e recomposição das perdas salariais;
  • Extinguir subsídios públicos aos planos e seguros privados. 
CHAPA 3
HORA DE AGIR
PROPOSTA
CHAPA 03 – HORA DE AGIR
 
Candidatos Chapa 3 - Eleição CFM 2019
 

Chapa 3 – Hora de Agir


Efetivo:

Denise Barbosa
Pneumologia
Campinas

Suplente:

Maria do Patrocínio Tenório Nunes
Clínica Médica
São Paulo

  • Reduzir as anuidades dos médicos e das pessoas jurídicas criadas exclusivamente para recebimento de honorários, sobretudo pelo aumento de médicos formados atualmente;
  • ​Reforçar a transparência nos atos e prestação de contas dos Conselhos, demonstrando claramente as receitas, despesas, investimentos e verbas indenizatórias pagas;
  • ​Investir na orientação pelos Conselhos, com mecanismos simples de consulta às dúvidas do dia a dia e práticas que não devem ser feitas;
  • Combater a exploração do trabalho médicopor operadoras de saúde, hospitais e clínicas, contra as ingerências na atuação, sobretudo dos médicos mais jovens;
  • ​Colaborar intensamente para que os Ministérios da Saúde e da Educação mantenham a moratória que coíbe a abertura de novas escolas médicas, e impedir a ampliação indiscriminada de vagas nas já existentes, e até sua redução;
  • ​Lutar pelo estabelecimento de condições mínimas para cursos de Medicina, e a obrigatoriedade de existência de laboratórios, preceptoria, residência e hospital-escola de qualidade comprovadas;
  • ​Persistir na luta para garantir a necessidade do Revalida na validação de diplomas de médicos formados fora do País, essencial à segurança dos pacientes;
  • ​Investimento na atualização permanente dos profissionais, que vise assegurar que esta chegue às diversas regiões do País, em especial aos profissionais de áreas de urgência e emergência;
  • Defender a aprovação da Carreira de Estado dos médicos, fundamental para garantir a fixação de médicos em áreas de menor acesso e infraestrutura e a adequada condição de vida aos profissionais para que possam focar em sua atividade assistencial;
  • ​Lutar pelo reconhecimento de direitos às mulheres médicas; valorização de seu papel como esteio da família, conciliando sua vida profissional e familiar, e assegurando seus direitos para cuidar de sua saúde e de seus familiares; apoiar o afastamento quando da maternidade, que fragiliza sua condição frente ao temor de substituição definitiva por outros colegas; lutar contra as diferenças na remuneração; e uso destas condições como impeditivo ao planejamento e desenvolvimento de sua carreira profissional, levando a excessos que refletem numa maior incidência de burnout, suicídios e menor expectativa de vida; ​
  • Defender a efetiva adoção da tabela CBHPM como mínimo da remuneração dos médicos e com atualização anual assegurada;
  • Defender a atualização, ampliação e valorização dos procedimentos da tabela SUS;
  • Intensificar o trabalho pela diminuição da violência contra os médicos e demais profissionais de saúde;
  • Informar a população e defender os profissionais médicos da falta de retaguarda assistencial, e assegurar remuneração adequada para evitar a sobrecarga de trabalho;
  • Contenção na prática de outros profissionais da Saúde em áreas de atuação dos médicos;
  • Defender a acreditação das escolas médicase programas de residência médica com parâmetros de qualidade.

 

CHAPA 4
VALORIZAÇÃO MÉDICA
PROPOSTA
CHAPA 4 – VALORIZAÇÃO MÉDICA
 
Candidatos Chapa 4 - Eleição CFM 2019
 

Chapa 4 – VALORIZAÇÃO MÉDICA

Efetivo:
Akira Ishida
Ortopedia e Traumatologia
Capital

Suplente:

Maria Rita de Souza Mesquita
Ginecologista e obstetra

Capital

Akira Ishida, nascido em Marília, graduado na Escola Paulista de Medicina, onde especializou-se e é atual professor titular de Ortopedia e Traumatologia. Há três décadas dedica-se ao ensino médico, tendo presidido as Sociedades Paulista de Ortopedia e Brasileira de Ortopedia Pediátrica. Diretor da SBOT, integra o Conselho Científico da AMB há 24 anos. Quando conselheiro do Cremesp, participou da Comissão de Avaliação do Exame dos Egressos de Escolas de Medicina. É vice-presidente da APM. Crítico à proliferação indiscriminada de cursos médicos, luta pela qualidade na formação e pela valorização do médico.


Maria Rita de Souza Mesquita, graduada pela Unisa, especialista em Obstetrícia e Ginecologia, coordena a Comissão de Honorários e Valorização da Sogesp e preside a Comissão de Ética da Febrasgo. Tem liderado ações em defesa dos valores éticos e profissionais do médico, como a cobrança de honorários pelo acompanhamento presencial do parto e a excelência da assistência obstétrica. 


Conjuntura

Há tempos assiste-se à degradação da formação do médico e do seu ambiente de trabalho. Reverter este quadro sombrio é a motivação de Akira e Maria Rita, ao candidatarem-se a representar os médicos paulistas no CFM, em busca da valorização dos médicos e da qualidade da assistência à saúde no Brasil.

É imperioso interromper a proliferação de escolas de má qualidade e corrigir as insuficiências na formação. É fundamental introduzir, agora em âmbito nacional, o exame de avaliação de egressos que, até sua injustificável interrupção, em São Paulo, em 2018, foi importante balizador da qualidade do ensino médico.

Akira e Maria Rita têm-se posicionado firme e claramente em defesa da profissão médica, agredida por inciativas como o Programa Mais Médicos e decisões equivocadas, como a Resolução CFM nº 2227/2018, que visava à regulamentação da Telemedicina.  

Basta de promessas vazias; de oportunistas travestidos do “novo”; de grupos inescrupulosos movidos por interesses menores, que exploram questiúnculas político-partidárias, plantam notícias falsas (fakes) e semeiam intrigas.

Compromissos

Ao comporem a Chapa 4, Akira e Maria Rita comprometem-se a fortalecer a representação de São Paulo no CFM,  lutando em prol de:

  • Exame nacional obrigatório para os novos graduados;
  • Fechamento de escolas de Medicina sem qualidade;
  • Revalidação de diplomas médicos obtidos no exterior;
  • Resgate da imagem do médico;
  • Valorização do trabalho médico, seja no SUS, seja na saúde suplementar;
  • Implantação da carreira médica no SUS;
  • Valorização da especialização médica;
  • Valorização do papel da mulher na profissão médica;
  • Facilitação do acesso dos jovens formados à carreira médica;
  • Racionalização dos custos da contribuição para o Conselho, moderando os valores da anuidade e eliminando a bitributação;
  • Fiscalização rigorosa das condições de trabalho;
  • Financiamento adequado e qualidade na gestão do SUS.

Facebook

/chapa4valorizacaomedica

 

Instagram

@chapa4valorizacaomedica 

CHAPA 5
RESGATE HIPOCRÁTICO
PROPOSTA
CHAPA 05 – RESGATE HIPOCRÁTICO
 
 
Candidatos Chapa 05 - Eleição CFM 2019
 

CHAPA 5 – RESGATE HIPOCRÁTICO

Efetivo:
Sérgio dos Passos Ramos

Ginecologia e Obstetrícia
São José dos Campos

Suplente:
Fernando Cordeiro
Cirurgia Geral e Proctologia
Campinas


Nosso objetivo, ao nos candidatarmos ao Conselho Federal de Medicina (CFM), é expresso no nome de nossa chapa: Resgate Hipocrático, resgate dos valores e princípios milenares da nossa profissão.  

Temos observado, nos últimos anos, uma agressão contra os médicos, visando principalmente à redução ainda maior dos nossos honorários, interferência no exercício da Medicina, com objetivos escusos, e invasão da área médica de diagnóstico e terapêutica por profissões similares.

Tal agressão teve seu auge nos governos recentes, de triste memória que, por meio da importação maciça de “profissionais”, imaginou resolver o problema da ausência de médicos em regiões remotas do País.

Em médio prazo, autorizou o aumento desenfreado de escolas médicas visando inundar o mercado com profissionais nem sempre bem preparados para o trabalho médico. Tentou também desqualificar a Medicina especializada, interferindo na formação pós-curricular.

Ao mesmo tempo, abriu o mercado das operadoras de saúde ao capital internacional. Pensar que os grandes grupos financeiros mundiais vêm ao nosso país para trazer saúde e prosperidade ao povo brasileiro é de extrema ingenuidade. O capital quer lucros. Lucros rápidos, fáceis e seguros. Saúde e Medicina bem feita não dão lucros fáceis.

Tendo em mente esta situação caótica em que estamos, e considerando a nossa história e experiência pessoal em anos de defesa profissional, resolvemos nos candidatar ao CFM. Nosso objetivo é principalmente a defesa do médico e do exercício profissional, com dignidade e respeito.

Apesar de grandes teóricos dizerem que não cabe ao CFM a defesa dos médicos, a própria lei que criou o Conselho lhe atribui esta finalidade ao definir que deve “zelar e trabalhar por todos os meios ao seu alcance, pelo perfeito desempenho ético da Medicina e pelo prestígio e bom conceito da profissão e dos que a exerçam legalmente”, ou seja, os médicos (Art.2º  da Lei nº 3.268, de 30 de setembro de 1957).

Nossa proposta central é que o CFM seja o principal órgão de resgate dos princípios de autonomia, dignidade e respeito ao exercício da Medicina e dos que a exercem, usando a sua força institucional na defesa do médico.

Sem médicos livres e responsáveis, não existe Medicina e Saúde de qualidade. 

CHAPA 6
MUDANÇA JÁ NO CFM
PROPOSTA
CHAPA 06 – MUDANÇA JÁ NO CFM
 
Candidatas Chapa 06 - Eleições CFM 2019
 
 

Chapa 6 - Mudança Já no CFM!

Efetivo:
Christina Hajaj Gonzalez
Psiquiatria

Capital

Suplente:

Irene Abramovich

Neurologia Pediátrica
Capital

Mais transparência na gestão, mais valorização do profissional e mais apoio no exercício da Medicina.

Esses são os pilares que defendemos para um novo CFM, que dialogue e ampare o médico brasileiro de diferentes gerações. A Saúde está sucateada, impondo a nós, profissionais da área, um cotidiano perverso de trabalho. Por isso, é imperativo um Conselho forte, organizado e comprometido com ideias modernas e efetivas. Nós, Christina Hajaj Gonzalez (professora de Psiquiatria/Unifesp) e Irene Abramovich (neurologista infantil, docente e coordenadora da Residência Médica do Estado de São Paulo), temos vivência no Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp) e sabemos que as mudanças são possíveis!

Convocamos todos para que participem desta eleição e votem por mudanças! Confira as nossas diretrizes:

  • Mais transparência na tomada de decisões - necessário garantir maior transparência e assegurar que a voz dos médicos seja ouvida na tomada de decisões que impactam a atividade profissional. Resoluções que afetam diretamente o exercício médico vêm sendo publicadas sem que os Conselhos Regionais e a comunidade médica sejam consultados;
  • Apoio ao Revalida - prova de revalidação de diplomas estrangeiros deve ser realizada duas vezes ao ano (a cada seis meses) e é preciso que o CFM fiscalize as instituições que aplicam o exame para garantir maior qualidade e rigor;
  • Mais eficiência na gestão - necessário um choque de gestão no CFM que otimize a gestão financeira e melhore o acesso aos serviços oferecidos pelos Conselhos Regionais, como os serviços cartoriais;
  • Criação de uma Caixa de Assistência - luta pela criação de uma Caixa de Assistência dos Médicos, nos moldes da Caixa de Assistência dos Advogados de São Paulo (CAASP), para a promoção de benefícios, como planos de saúde e auxílio farmácia para médicos;
  • Mais conselheiros - luta pela ampliação na proporção de conselheiros federais de acordo com o número de médicos inscritos em cada Conselho Regional. São Paulo, por exemplo, tem aproximadamente 145 mil médicos inscritos no Cremesp e apenas um conselheiro federal;
  • Programa Mais Médicos - novos residentes devem ter a opção de trancar a Residência pelo período de um ano para dedicarem-se ao programa Mais Médicos, do Governo Federal;
  • Ampliação de descontos e critérios de elegibilidade para PJ - necessária realização de estudos para viabilizar descontos e critérios de elegibilidade para pessoas jurídicas e evitar o pagamento integral de duas anuidades.

E mais...

  • Autonomia para os Conselhos Regionais deliberarem o valor das anuidades e reajustes de pessoas físicas e jurídicas;
  • Defesa da Carreira de Estado para os médicos, a exemplo do que acontece no Judiciário;
  • Luta contra o exercício ilegal da profissão médica;
  • Luta contra a criação de novos cursos de Medicina e ampliação no número de vagas dos cursos já existentes. 
CHAPA 7
RENOVAÇÃO JÁ
PROPOSTA
CHAPA 07 – RENOVAÇÃO JÁ
 
Candidatos Chapa 07 - Eleição CFM 2019
 
 

CHAPA 7 - RENOVAÇÃO JÁ

Efetivo:
Ozório de A. Lira Neto

Capital

Suplente:
Jorge Sayum Filho
Ortopedia e Traumatologia
Capital

 O CFM está sendo comandado pelas mesmas pessoas e grupos há décadas, com vieses partidários. A renovação tem que ser realizada urgentemente para restaurarmos a dignidade e os direitos médicos. A Medicina chegou ao “fim do poço”, “ninguém mais tem respeito pelos médicos”, “os médicos são iguais a sal – barato, branco e tem em qualquer lugar”. Essas são as frases que norteiam a atualidade da Medicina e dos médicos no Brasil. Você quer mudar essa situação? Vote chapa 7 – Renovação Já! E, juntos, restauraremos a dignidade médica, o respeito e principalmente a valorização da nossa profissão. Nossos principais pilares são:

  1. A OAB dita os honorários mínimos para a classe da advocacia (tabela anualmente atualizada).Por que o CFM não pode? Tentaremos, por meio da união de forças com sindicatos e outras entidades, estipular o valor mínimo que deve ser cobrado por consulta! A ideia seria R$ 250 como preço mínimo por consulta (corrigido pelo IPCA anualmente);
  2. Extinguir o retorno gratuito de consulta. Os convênios devem nos pagar os retornos;
  3. Valorização dos honorários e procedimentos médicos já! Os convênios têm que parar de escravizar os médicos;
  4. Revisar todos os contratos dos médicos com os convênios: pois os médicos são o elo mais fraco desta relação. Devemos padronizar um modelo de contrato entre as operadoras e os médicos, no qual os profissionais sejam mais protegidos e, em caso de descredenciamento de clínicas pelos convênios, que estes sejam altamente multados;
  5. Fim da duplicidade de cobrança: o médico não pode pagar duas vezes a anuidade do CRM. Se pagou como pessoa física, não deverá pagar como pessoa jurídica (até um teto máximo de faturamento anual);
  6. Fim da festa das sindicâncias: o CFM e os CRMs devem apenas instaurar sindicâncias e processos em casos com provas robustas e deverão ter uma postura mais pedagógica e menos punitiva;
  7. Prova obrigatória (Revalida) para os diplomados no exterior;
  8. Defesa real do Ato Médico;
  9. Acabar com o assédio moral que os médicos sofrem por parte de hospitais e convênios durante a prática médica;
  10. Programa Mais Médicos: apenas para médicos formados no Brasil ou com o Revalida em dia e com uma remuneração adequada;
  11. Telemedicina: somos a favor de que o médico seja bem remunerado e não apenas uma economia às fontes pagadoras;
  12. Plano de carreira para os médicos no SUS: com condições semelhantes aos procuradores e promotores;
  13. A favor da liberação de novas tecnologias já utilizadas em diversos países, porém ainda não liberadas no Brasil;
  14. Buscar melhores condições de trabalho e honorários aos residentes;
  15. Combater a retenção de honorários: atuação firme para responsabilizar os gestores médicos que retenham honorários injustamente;
  16. Programa gratuito de ensino à distância e de reciclagem médica;
  17. Combate à liberação de novas escolas médicas no Brasil.

Para mais informações, acesse: renovacfm.com.br

 

CHAPA 8
DIGNIDADE MÉDICA SP
PROPOSTA
CHAPA 08 – DIGNIDADE MÉDICA SP
 
Candidatos Chapa 08 - Eleição CFM 2019
 

CHAPA 8 - DIGNIDADE MÉDICA SP

Efetivo:
Marta Maite Sevillano

Capital

Suplente:
Flávio Taniguchi
Capital

Com as crescentes críticas sobre a conduta médica, seja no campo moral, mas, sem dúvida, na área técnica, nos deparamos com discussões que há tempos fazem parte da vida de todos que pensam e trabalham pelo futuro da Medicina no Brasil, vislumbrando com otimismo a recuperação da sua imagem. E neste grupo nos encontramos.

Marta Maite Sevillano - formada na PUC-SP em 1988, com residência médica em Medicina Nuclear no HC/FMUSP, em 1989, e mestrado e doutorado em Radiologia Clínica na Unifesp – EPM. Foi integrante do conselho participativo da Subprefeitura de Pinheiros e das diretorias da Fenam, Sintunifesp, Simesp, Associação Brasileira de Mulheres Médicas, e sua regional SP, e APM. Atualmente médica técnica-administrativa em educação (TAE) na EPM, docente titular de Imagem na Escola Paulista de Ciências Médicas, avaliadora de residência médica e cursos de graduação pelo MEC e vice-presidente da Medical´s Women International Association.

Flavio Taniguchi - formado pela FMUSP em 2013, com residência médica em Medicina Preventiva e Social/ PROAHSA, em 2015. Especialista em Administração Hospitalar e Sistemas de Saúde pela Master of Business Innovation na EAESP – FGV, em 2015. Foi presidente do Centro Acadêmico Oswaldo Cruz, fundador presidente da 1ª empresa júnior de Medicina (Medicina JR), diretor de modalidade da AAAOC, delegado e membro da Câmara Temática do Médico Jovem do Cremesp (2014-18), presidente da Ameresp (2016-17), tesoureiro da Abrampa (2014-18). Atualmente tesoureiro da Associação Médica Nikkei, membro Rotary Club Liberdade e diretor da Associação dos Antigos Alunos da FMUSP.

Nossas propostas em curto prazo: 

  • Impedir a abertura de faculdades de Medicina sem os requisitos básicos para a formação do médico;
  • Avaliação dos formandos: o CFM deve liderar, primando pela boa técnica e ética médica;
  • Ampliar as ações de educação continuada;
  • Apoiar mais vagas na residência médica, com qualidade de ensino e condições dignas aos residentes, o que inclui valorizar a bolsa de residência médica;
  • Fiscalização efetiva dos hospitais públicos, particulares e filantrópicos e das Unidades de Pronto Atendimento e Ambulatórios Médicos de Especialidades – Estratégia de Saúde da Família, locais da linha de frente, para que o médico, por falta de condições, não seja punido;
  • Apoiar a prática da Medicina focada na saúde integral do paciente, baseando-se em estudos científicos validados;
  • Rever resoluções sobre funcionamento e ações de marketing de clínicas e consultórios, favorecendo a inclusão dos médicos nas mídias digitais atuais;
  • Revisão dos valores cobrados na anuidade PF e PJ.

Nossas propostas em médio e longo prazos:

  • Avaliar as faculdades de Medicina, de acordo com o projeto Flexner;
  • Apoiar a implantação da Carreira Médica de Estado como forma de interiorizar o médico;
  • Apoiar a regulamentação do piso nacional dos médicos;
  • Atuar na revisão da tabela do SUS e implantação da CBHPM como referencial mínimo aos convênios médicos. 
CHAPA 9
SÃO PAULO QUER MAIS
PROPOSTA
CHAPA 09 – SÃO PAULO QUER MAIS
 
Candidatos Chapa 09 - Eleição CFM 2019
 

Chapa 9 – São Paulo quer mais

Efetivo:
Ruy Tanigawa
Acupuntura
Capital

Suplente:
Márcia Bandini
Medicina do Trabalho
Campinas

Ruy Tanigawa, especialista em Acupuntura, e Márcia Bandini, especialista em Medicina do Trabalho e em Medicina do Tráfego, representam a Chapa 9, em busca de melhorias para São Paulo e para todos os médicos brasileiros, com foco em agregar representatividade, inovação e eficiência aos novos projetos do CFM.

Os 9 compromissos da Chapa 9:

1) Representatividade médica para que os 140 mil médicos paulistas sejam devidamente representados no CFM, em especial na Diretoria;

2) Transparência e participação na proposição da agenda de trabalho, com priorização de temas de interesse para os médicos e a sociedade, bem como a abertura de consultas e audiências públicas, buscando o engajamento dos médicos paulistas nas discussões e decisões do CFM;

3) Defesa da Saúde Pública, com atuação política junto ao Congresso Nacional para discussão e aprovação de leis em prol dos médicos e da saúde da população;

4) Melhoria das condições de trabalho, lutando contra a precarização do trabalho médico e por melhores salários, independente da sua área de atuação, com a valorização do profissional e carreira, além da promoção de ações preventivas e de apoio para reduzir os riscos de adoecimento e morte precoce, incluindo suicídios e burnout;

5) Criação do Canal Médico Digital, inovando as formas de comunicação do CFM, para que todos os médicos tenham acesso aos principais eventos e atividades em tempo real, incluindo os trabalhos das Câmaras Técnicas e as Plenárias, respeitando sempre os ditames éticos da profissão;

6) Acolher as reivindicações dos residentes, criando canais de comunicação direta dentro das competências do CFM, para valorizar, reconhecer e defender a Residência Médica, incluindo a abertura de novas vagas e o exercício profissional dos jovens médicos;

7) Ensino de qualidade e educação médica continuada, com controle mais rígido para a abertura de escolas médicas e exigência de serviços adequados para treinamento dos estudantes e qualificação de docentes e preceptores. Instituir avaliações seriadas durante o curso de Medicina em nível nacional. Adotar programas de educação médica continuada no modelo de ensino à distância para atualização dos profissionais, em especial daqueles que não tiveram acesso à Residência, com protocolos de atendimentos, visando ao diagnóstico, conduta e tratamento dos problemas mais relevantes de saúde, além de programas específicos para os já especialistas;

8) Renovação do CFM, limitando a permanência dos conselheiros em, no máximo, dois mandatos consecutivos;

9) Eficiência e sustentabilidade dos trabalhos em curso, com planejamento de longo prazo, reduzindo desperdícios de tempo, de recursos financeiros e redundâncias. Redefinição do escopo de trabalho do conselheiro federal suplente que, por questões regimentais, tem sua atuação subdimensionada.


Saiba mais em www.spquermais.com.br

 

CHAPA 10
ENDIREITA CFM SP
PROPOSTA
CHAPA 10 – ENDIREITA CFM SP
 
Candidatos Chapa 10 - Eleição CFM 2019
 
 

Chapa 10 – EnDIREITA CFM SP


Efetivo:
Tatiana Criscuolo
Medicina do Trabalho, Preventiva e Social
Capital

Suplente:
Ricardo Paoliello
Cirurgia Plástica
Marília

Tatiana Criscuolo e Ricardo Paoliello somam experiência e vontade de bem representar os médicos do Estado de São Paulo no CFM. Irão atuar de forma efetiva por condições adequadas de trabalho, em prol da Saúde e da valorização da classe, tendo como norte a ética profissional.

Propostas:
1 - Desenvolvimento da Medicina e publicidade médica – atualização e reconhecimento de procedimentos e inovações científicas terapêuticas e estéticas, ampliando a atuação do exercício profissional médico. Adequação da regulamentação publicitária, extinguindo os excessos da Codame, preservando a ética e o paciente;

2 - Plano de carreira  implantação da carreira médica federal no âmbito da atenção primária, urgência e emergência, na esteira dos programas governamentais de interiorização da Medicina. Atualização continuada do médico, com possibilidade de mobilidade para áreas pólo;

3 - Proteção e respeito  orientação legal ao médico exposto a agravos físicos, morais e violência, vedando ao agressor a prerrogativa de denúncia ético-profissional contra o agredido. Denúncias de médicos para fiscalização em postos de trabalho terão autoria assumida pelo CFM;

4 - Bitributação PF/PJ – anuidade cobrada por registro de pessoa física, isentando a cobrança da empresa médica constituída para o recebimento de honorários;

5 - Anuidades especiais – descontos proporcionais ao médico recém-formado, residente, em licença-maternidade ou por adoção, em tratamento do câncer ou de doença crônica limitante da atividade profissional;

6 - Exercício Ilegal defesa das prerrogativas das especialidades médicas, por meio de fiscalização e acolhimento de denúncias, no resguardo da Medicina contra a invasão por outras profissões;

7 - Benefícios programas de desconto na aquisição de bens e serviços de interesse do médico para sua instrução, aprimoramento, conforto e lazer, assim como de sua família;

8 - Núcleo econômico-jurídico – criação de um núcleo de assessoramento, voltado a aplicar métricas sistêmicas ao sistema de saúde público e privado, e coibir práticas ilícitas de entes e gestores;

9 - Remuneração médica  resgate da dignidade e do honorário justo, embargo de concursos aviltantes à profissão, implementação do piso Fenam atualizado e ajuste de tabelas SUS e convênio;

10 - Ensino médico e Revalida  fechamento das instituições incompatíveis com a boa formação, avaliação de progressão acadêmica nos ciclos básico, clínico e internato. Adequação da Residência Médica e revalidação obrigatória do estrangeiro, observados a grade curricular, o domínio da língua e o visto de permanência em solo brasileiro.

Bônus:
Novas tecnologias – regulamentação dos recursos tecnológicos favorecendo a relação médico-paciente e a propedêutica. Incorporação da Medicina Estética e da Medicina Integrativa em áreas de atuação atreladas a especialidades médicas.